EBC desperdiça R$ 935 mil por mês com aluguel de sede inútil

 - Do Blog do Pannunzio -  
A Empresa Brasil de Comunicação,que é responsável pela operação da TV Brasil,  desperdiça mensalmente pelo menos R$ 935 mil com o pagamento inútil de aluguéis  do espaço onde foi montada sua nova sede, no subsolo do Edifício Venâncio 2000, no Setor Comercial Sul de Brasília. 
O desperdício começou em 2009, quando, a despeito de não se enquadrarem nos requisitos técnicos do projeto, as instalações foram alugadas com dispensa de licitação.

De acordo com o extrato do contrato publicado na edição de 18 de dezembro de 2009 do Diário Oficial da União, a área tem 19,34 mil metros quadrados. Ali deveriam ser instalados cinco gigantescos estúdios e oito estúdios de rádio. Passados quase dois anos e meio — e a despeito da gigantesca obra de reforma — as instalações continuam imprestáveis para o fim a que se destinavam.

Os estúdios da TV Brasil continuam funcionando nas dependências exíguas e precárias do edifício situado na quadra 702 da Asa Norte, de onde deveriam ter se mudado em meados de 2010. O espaço não comporta mais a operação. Esse prédio, se o plano original tivesse sido levado a efeito, deveria ter sido alugado para compensar parte dos custos da locação do novo imóvel. Até hoje, no entanto, isso não aconteceu. Não há sequer data prevista para a mudança.

Uma fonte da EBC revela que  dois problemas impedem a plena ocupação do espaço alugado a peso de ouro. O primeiro deles é de responsabilidade direta da administração da empresa.
 De acordo com a fonte, a empreiteira contratada para reformar o imóvel não completou a obra. Não há por onde passar cabos óticos e de energia elétrica, que não teriam sido adequadamente previstos no projeto de reforma. “Também não estamos convencidos de que há segurança elétrica e, em função disso,  não podemos utilizar os equipamentos instalados nos estúdios”, diz a fonte do Blog do Pannunzio. Ainda que houvesse eletricidade abundante para acionar os estúdios, a situação seria a mesma:  não há cabos óticos ou coaxiais  instalados para interligar a central de produção e os transmissores.

O outro problema seria o dimensionamento inadequado do ar-condicionado, de responsabilidade do Shopping Venâncio 2000, proprietário do imóvel. Isso não diz respeito apenas ao conforto dos funcionários. As câmeras e ilhas de edição não podem operar em temperaturas maiores do que 25º Celsius. A energia térmica irradiada dos spots de iluminação, instalados num subsolo sem ventilação, implicaria risco de incêndio. Graças a essa deficiência, e à ausência de um “aceite” das instalações nos termos ajustados no contrato, a EBC estaria recebendo um desconto no pagamento mensal dos aluguéis.
Clique na imagem para beber na fonte:

O Blog checou a informação sobre a existência desse desconto e não conseguiu confirmá-la. Ao contrário: somente neste mês de Março, a Presidência da Repúblia pagou pelo aluguel do prédio inútil da EBC R$ 935.965,62 reais. Se você quiser conferir, basta clicar na imagem acima para acessar o Site da Transparência do Governo Federal.

Os pagamentos, ambos efetuados no dia 9 passado, dizem respeito a dois contratos distintos. Um deles, o de menor valor (o de R$ 88,448 mil reais), refere-se ao aluguel provisório (por quatro meses) de um conjunto comercial que vem sendo prorrogado há quase três anos. Todos os meses, religiosamente, o valor é depositado na conta da empresa AR Empreendimentos e Participações Ltda., que assina o contrato como “comodante”.

Meias-verdades no salão de festas
Em 31 de outubro do ano passado, a presidência da EBC divulgou um documento chamado “Quatro Anos de um Ideal Democrático”. É um balanço do primeiro quadriênio do projeto da TV Brasil. Tem uma clara inclinação literária. O texto, bem escrito, poderia se transformar num clássico de ficção bem-sucedido se tivesse recebido a divulgação merecida.
Na página 138, afirma categoricamente que “a modernização [da TV Brasil] só foi possível com a implantação da nova sede do Venâncio 2000. Neste centro comercial inteiramente reformado e adaptado, a EBC reuniu as unidades que funcionavam em diferentes endereços. Com enormes ganhos para a gestão. Seu moderno centro de mídias públicas é dotado de cinco estúdios de televisão, oito estúdios de rádio, cinco suitchers de TV, dezenas de ilhas de edição, …”

A única coisa que o documento festeiro não diz é que nada disso estava funcionando — e assim permanece até hoje.
Festa no estúdio - posse da nova diretoria (Foto: divulgação da EBC)
A inutilidade do porão alugado pela EBC só não é total por dois motivos. Primeiro, porque uma parte da administração se mudou para lá para não deixar o prédio às moscas. Segundo, porque ele eventualmente faz as vezes de salão de festa para cerimônias oficiais. Foi lá, por exemplo, que a nova diretoria da EBC tomou posse no dia 9 de dezembro de 2011.

Na fotografia do evento, que reproduzo acima, pode-se notar que os estúdios receberam todo o equipamento necessário para as transmissões que nunca aconteceram. Suportes de iluminação,luminárias e refletores, vedação acústica e eletromagnética caríssimas, tudo isso ajudou a fazer brilhar a  posse dos jornalistas Nelson Breve, na Presidência, e Eduardo Castro, na diretoria-geral da EBC.

Ambos, corretos e bem-intencionados, têm agora a responsabilidade de corrigir os problemas e botar a estrutura para funcionar. A fonte que informa o Blog assegura que a meta é conseguir levar  as emissoras de rádio para a nova sede  até o mês de junho. Ainda não há previsão de quando os estúdios de TV terão condição técnica de iniciar a operação no subsolo do Venâncio 2000.

Mas o maior desafio dos novos gestores começa bem antes. Eles terão que encontrar uma maneira de explicar à opinião pública  e ao contribuinte brasileiro os desvios do projeto. Desvios que, em qualquer empresa privada minimamente organizada, redundariam na demissão sumária de seus executores.
 Fonte: http://www.pannunzio.com.br/archives/10221
 - Enviado por Jorge Wamburg -

Comentários